sábado, 28 de abril de 2012


sAPOS SENTADOS

O Exemplo da Aranha

Edmundo Teixeira


A aranha desprende do próprio corpo o líquido pegajoso com que forma sua teia para obter alimento. Depois de algum tempo engole os fios e vai reconstruí-Ia em outro lugar.

Que relação tem isto com nossa vida?

Não exprimimos também as "teias" de nossos pensamentos, emoções, palavras e atos, para o nosso crescimento interno e externo?

E também temos de rever e melhorar essas formas de expressão, porque se permanecemos sempre iguais nos estagnamos e acabamos retrocedendo.

A natureza não conserva nada parado: ou avança ou retrocede! 0 homem é um ser transitivo: por um impulso natural, busca novos e melhores complementos.

Engolir não é repetir: é rever, é reconhecer e transformar para melhor.

É inútil mudar de marido ou esposa, de emprego, cidade ou país, se levamos em nós o mesmo homem ou mulher.

É indispensável uma transformação interna para melhor, que aprimore a qualidade da "teia", a fim de atrairmos alimentos mais refinados, pois o semelhante atrai o semelhante, isto é, atraímos de fora o que somos por dentro...

Cada condição, cada experiência, cada atitude interna, é uma teia, útil como degrau para nossa elevação na escada evolutiva de Jacob.

Mas para subir ao degrau de cima, é necessário tirar o pé do degrau de baixo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário