quinta-feira, 6 de outubro de 2011

sAPOS SENTADOS

CONFIDÊNCIAS                              Eduardo de Paula Barreto



Sentei-me para conversar
Com um homem desconhecido
Ele me recebeu sem reclamar
E passou a me contar
Segredos até então escondidos.

Disse-me que não gostava de ler
E nem de alimentar fantasias
Que não arriscava perder
Que não mudava o seu jeito de ser
E que nem em Deus cria.

Disse-me que não gostava de música
E nem de expressar emoção
Que não praticava atividades lúdicas
E que sempre a sua palavra última
Era: Eu sei que tenho razão.

Levantei-me e ao me retirar
Despedi-me daquela criatura
E para me certificar
De que jamais o iria imitar
Deixei flores sobre a sua sepultura.



Um comentário:

  1. Siga seu caminho até o alvorecer. Ouça sua voz até o final e feche os olhos, você encontrará a passagem para sair da escuridão.
    Encontre o seu lugar no olho da tempestade para alcançar a terra da estrela da manhã.
    Estenda a sua mão e encontre a magia, o nascimento de sua luz...
    Beijos da Rô

    ResponderExcluir